Felizmente, acompanhamos diariamente histórias de sucessos de startups que começaram em garagens e hoje viraram unicórnios {empresas de tecnologia que valem mais de US$ 1 bilhão}, fatos que acontecem ao redor do mundo e inspiraram inúmeros empreendedores a tirarem suas ideias do papel e iniciarem uma jornada empreendedora, o que é fantástico. Porém encontro vários entusiastas e empreendedores que acreditam que basta ter uma boa ideia e sair construindo um produto e/ou serviço que o sucesso será garantido, e com frequência, quando me questionam o que eu acho das ideais, as primeiras perguntas que faço são:

Qual o problema esta ideia resolve?

Quem está disposto a pagar por esta solução?

Como empreendedor, na 5B – http://5beatle.com, mentor de startups em estágios iniciais e apaixonado por resolver problemas, consolidei alguns tópicos que acredito ser relevantes para quem está pensando em empreender, ou está no estágio inicial de uma startup. Estes tópicos são baseados na minha experiência como empreendedor, na participação de mentorias dadas e recebidas, em palestras assistidas, como a Startup Secrets feita pelo Edson Rignatti, leitura de livros como The Hard Thinkg About Hard Things, Nada Esy, e inúmeros outros que indicarei no final.

Começo pelo bom e velho bordão “não existe bala de prata”, isso mesmo, não existe uma fórmula mágica que você pode seguir e criar seu negócio de sucesso, pois diversas variáveis como pessoas, mercado, modelo de negócio e etc… mudam e você terá que “achar” o seu caminho. Mas sabemos que evitar a estupidez é mais fácil do que procurar brilhantismo, costumo repetir para meu time uma frase que diz “quem aprende com os seus próprios erros está no caminho certo, mas quem aprende com os erros dos outros é sábio” .

Por isso, é importante entender que existem padrões de erros responsáveis pela “morte” de negócios, e neste contexto saber o que não fazer, na maioria das vezes é melhor do que saber o que fazer, com isso, destaco abaixo alguns pontos para reflexão.

TIME:

  • Construir um negócio não é uma missão fácil, então não tente fazer isso sozinho. Cases de sucesso nascem de startups com times de 3 a 4 fundadores, com habilidade e perfis complementares e com um alinhamento de propósito muito grande;
  • A média de idade de fundadores de empresas que deram certo é de mais de 38 anos anos, segundo estudo publicado pelo Bureau Nacional de Pesquisa Econômica, e 80% dos times vencedores tentaram mais de uma vez, ou seja, já falharam uma vez antes de obter êxito;
  • Times com capacidade de aprender rápido com os erros e acertos, orientados por mentores, que estão envolvidos em um ecossistema de inovação e são orientados por dados, com rotinas de OKRs, conseguem levantar mais capital e tracionam seus negócios com maior facilidade que os demais;
  • Business-heavy são melhores com software corporativo, técnicos são melhores com desenvolvimento de produtos e times balanceados são melhores em business de marketplace e e-commerce;
  • 1 em cada 4 startups falham por conflitos e desalinhamentos entres os sócios, por isso, escolher as pessoas que irão construir um negócio junto com você é uma tarefa de extrema importância. Fique atento ao determinar a divisão da sociedade, é importante ter flexibilidade na negociação do cap-table, pois a única certeza é que se seu negócio for bom, você irá precisar de rodadas de investimento para escalar e isso irá diluir a participação do time de fundadores no cap-table da empresa, e sabemos que ninguém gosta de ter a sensação que tem muito pouco de um negócio que ajudou a construir do zero.

MERCADO:

  • Construir algo que ninguém quer comprar é fracasso na certa. Aproximadamente 50% dos novos produtos ou serviços lançados falham, pois seus criadores não fizeram o principal, entender quem está disposto a comprá-los. Times de sucesso gastam mais de 40% do tempo inicial de um negócio entendendo o mercado, sabendo que dor especificamente seus produtos ou serviços resolvem e quem são as pessoas que estão dispostas a pagarem por estes novos produto ou serviço;
  • Time to Market, ou tempo de mercado, é um dos fatores que diferenciam um negócio bom de um negócio ruim, por exemplo não adianta você lançar hoje um App revolucionário de transportes, onde um passageiro pede um carro via seu celular para se deslocar de um local para o outro e etc… O time para isso já passou, pois já existe no mercado inúmeras empresas fazendo isso. Então, antes de achar que sua ideia é brilhante e que você é um gênio, pesquise com profundidade se já não existe a solução que você está idealizando. Mesmo que não exista, pense se o mercado está pronto para receber seu produto ou serviço, se não você pode correr o risco de construir algo que ninguém queira comprar;
  • Construa algo que “pare de pé”, ou seja, seu negócio tem que fazer sentido economicamente. 1 em cada 6 negócios fracassam por não ter uma relação saudável de CAC e LTV, por terem altas taxas de Churn, margem bruta baixa e não ter um fluxo de caixa estruturado. Se você está empreendendo ou buscando tirar sua ideia do papel e não entendeu muito estas siglas que citei, pare tudo e vá estudar detalhadamente cada ponto deste, ok;
  • Concorrência, se você é daqueles que acredita que não tem concorrente, abra o olho, pois sempre existem concorrentes, sejam eles diretos ou indiretos, e você precisa conhecê-los para se diferenciar e não fazer mais do mesmo.

DINHEIRO, MONEY, CASCALHO, ETC…

  • Quando o assunto é dinheiro, não seja otimista! 1 em cada 3 startups falham por falta de caixa, pois normalmente o tempo que você projeta para ter retorno e o tempo que o mesmo vem é de 1 a 3 vezes maior do que a expectativa inicial, ou seja, se você está planejando largar tudo e fundar uma startup e acredita que em 1 ano você conseguirá fazer o negócio dar dinheiro, sinto lhe dizer mas “tu tá lascado” pois seu negócio irá demorar de 2 a 3 anos e quando o dinheiro acabar e seu negócio ainda não for rentável, você entrará na terrível estatística de que 1 em cada 3 startups falham por falta de caixa;
  • Não comemore tanto um aporte financeiro, pois se você precisou pegar dinheiro é porque seu negócio não está “saudável” ainda ou ele não consegue proporcionar sua própria escalabilidade. Tomar dinheiro é um “mal necessário”, ou seja, provavelmente você irá precisar captar, mas quando for fazer isso tenha parcimônia e levante apenas o montante necessário, nem mais nem menos;
  • O jogo de captar dinheiro tem que ser pensado como um funil, que a cada etapa, menos empresas conseguem captar, por exemplo, Seeds tem 25% de chances de chegarem a uma Série A, que por sua vez tem 50% de chance de chegar na Série B e assim por diante;
  • Quando o ponto é disponibilidade de orçamento, a máxima é: Nem muito e nem pouco dinheiro, pois dinheiro de menos reduzem em 70% a chance de se chegar na próxima rodada de investimento, imagine que você esteja em uma prova de 200 metros e seu fôlego irá acabar na metade, ou seja, terá que corre mais 100 metros para cruzar a linha de chegada, mas nestas condições certamente não será o campeão. Enquanto que dinheiro de mais reduz em 25% a chance de se chegar na próxima rodada de investimento, isso mesmo, pois com a abundância de recursos sua empresa entrará em uma espécie de zona de conforto, a qual irá encobrir ineficiência e desperdícios, costumo utilizar a analogia de um rio, pois quando o rio está cheio ninguém consegue ver os galhos, lama e sujeiras em seu leito, isso pode levar as pessoas a se afogarem, enquanto em um rio com águas baixas, você consegue ver todos os galhos, lama e sujeiras, podendo então removê-los;
  • Construa um negócio enxuto, pois startups que não são enxutas acabam falindo ou seus fundadores acabam com apenas 10% de participação no negócio, pois será necessário tomar dinheiro com maior frequência no mercado. Já startups enxutas, seus fundadores conseguem manter até 40% de participação do negócio até atingirem o sucesso.

CRESCIMENTO:

  • Crescer exponencialmente é o que todo empreendedor busca, porém vale lembrar que existe o chamado falso positivo. 1 em cada 10 startups falham devido à um crescimento prematuro (tráfego sem conversão, produto sem vendas, vendas sem margem, CAC sem LTV, pessoas sem receita);
  • É importante saber que a cada etapa de crescimento, é necessário que os fundadores e seus times também cresçam, amadureçam e saibam se portar na condução do negócio. 1 em cada 5 startups falham no processo de transformação de família para tribo, para aldeia, cidade, nação. Sair de pai, para líder, para cacique, para prefeito até se tornar presidente, é necessário que além dos negócios as pessoas se desenvolvam;
  • Foco é condição essencial para startups de sucesso. 1 em cada 10 falham por “carregar muito peso” (várias personas, produtos, mercados e canais) então, foque em resolver 1 problema, em 1 mercado, através de 1 canal, e fique atento para pivotar quando necessário e quando “achar a veia” acelere o máximo para escalar, e então comece a refletir se existe novas oportunidade e etc…;
  • Costumo utilizar uma frase que não é de um vocabulário nobre, mas deixa explícito que, se começar errado vai terminar errado, a fase é “ merda que entra, merda que sai” Portanto, pense e planeje cada passo, cada pessoa que você irá trazer para seu time. Talentos errados reduzem 2,6 vezes a velocidade das startups (ajuste cultural x ajuste técnico, generalistas x especialistas, escopo x autonomia, o ótimo é inimigo do bom).

EM RESUMO:

  • Não há fórmula mágica, mas existem padrões de casos de sucesso e de insucesso;
  • Entenda cada momento que você e seus sócios estão e esteja preparado para agir rapidamente, conforme cada necessidade e situação que o mercado apresente;
  • A caminhada ao sucesso é longa, difícil, mas no meio da jornada existem marcos que você deve se atentar a fim de saber se está na “trilha certa”;
  • A aprendizagem é uma unidade fundamental de progresso para startups, e aprender rápido é essencial;
  • A maioria dos conselhos está errada, inclusive os que você leu até aqui (risos…);

Pra fechar, não poderia deixar de citar duas frase que eu costumava escutar de um antigo CEO:

“Quem não almoça, não janta duas vezes”

“A sorte precede o esforço”

Então trabalhe duro, aprenda rápido que a sorte chegará!

Abaixo segue indicação de alguns livros e links para leitura, pois a leitura deles contribuíram para a escrita deste breve texto:

Livros:

Links:

https://www.cbinsights.com/blog/startup-failure-reasons-top/

http://paulgraham.com/startupmistakes.html

http://paulgraham.com/startupideas.html

https://codingvc.com/startups-are-risk-bundles/

https://www.quora.com/Is-the-80-product-failure-rate-statistic-actually-true

https://speckyboy.com/2014/09/18/building-minimum-viable-products-spotify/

http://pmarchive.com/guide_to_startups_part4.html

http://mediafiles.pragmaticmarketing.com/pdf/PragmaticSurvey2016.pdf

http://paulgraham.com/ds.html

https://mattermark.com/too-much-startup-seed-funding-bad/

https://mattermark.com/startup-graduation-rate-surprisingly-low/